Thursday, March 26, 2015

Phase do dia - Alphonse Daudet

 
"A gula começa quando deixamos de ter fome."

Daudet, Alphonse
Romancista, poeta e dramaturgo francês
1840 - 1897

Wednesday, March 25, 2015

A Páscoa vem aí.....


Esta receita é uma “perdição”, como disse uma amiga minha. Difícil será alguém não sentir vontade de provar. Por conta disso, acredito até, que você poderá fazê-la para vender na Páscoa, para suas amigas e amigos.
A base é do bolo inglês; um bolo fácil de fazer e que tem no charme da decoração o impacto visual que faz com que a gente coma com os olhos assim que o vê.
Na receita, eu faço com uma calda de laranja, mas se você preferir pode usar a calda de maracujá, tangerina ou limão, fica a seu critério.

Ingredientes do bolo inglês
100 g de manteiga
1 xícara de açúcar
4 ovos
2 xícaras de farinha de trigo
1/2 xícara de leite
3 colheres (chá) de fermento em pó
Casca ralada de um limão
1 xícara de uva-passa

Fazendo
Na batedeira, bata a manteiga com o açúcar até obter uma pasta homogênea. Sem parar de bater, acrescente as gemas, a farinha, o leite, o fermento e as casquinhas de limão siciliano. Com a batedeira desligada, acrescente as passas e, por último, as claras em neve. Misture delicadamente. Distribua na forma de bolo inglês de 14 cm x 6,5 cm, untadas com manteiga; tomando cuidado para não encher demais a forma e a massa depois de assada ultrapassar a borda da forma. Leve ao forno moderado (180 °C), preaquecido, por 30 minutos ou até que dourem (teste enfiando um palito no centro; ele deve sair limpo). Desenforme o bolo e com ele ainda quente, despeje a calda por cima. Quando esfriar, finalize com os demais ingredientes.

Calda de açúcar
1 xícara de açúcar refinado
2 xícaras de suco de laranja

Preparando a calda de açúcar
Faça a calda de açúcar misturando bem a colher de suco com as colheres de açúcar. Ela ficará bem grossinha. Coloque-a sobre o bolo de maneira que não haja necessidade de espalhá-la depois, pois o açúcar rapidamente se tornará sólido e qualquer intervenção deixará marcas na calda.

Ingredientes da cobertura
1 xícara de framboesas frescas
1 colher de sopa de amêndoas fatiadas
1 colher de sopa de raspas de limão siciliano
Açúcar de confeiteiro

Finalizando

Coloque as framboesas sobre o bolo, espalhe as fatias de amêndoas e as casquinhas de limão. Polvilhe o açúcar de confeiteiro com uma peneirinha e está pronto!

Friday, March 20, 2015

A Arte e a Gastronomia - Coletânea

Andrea Kantrowitz
Grapefruit and Grapes - Original Fine Art for Sale - Elena Katsyura
Patrick Saunders - Late Afternoon
Michael Naples - Avocado
Brushstrokes - Still life
Scott Fraser - Peeled

Wednesday, March 18, 2015

Tzatziki - Uma entradinha da deliciosa culinária grega


Tem certas receitas que a gente tem que aprender fazendo; mas tem outras que a gente nem sabe como é que a gente sabe e fica aquela sensação de “dejavú”: Fiz e nem sei como fiz!
Mas é claro, que se a gente tiver a receita fica muito mais fácil, né mesmo? Então, aqui está a receita desta deliciosa entrada da culinária grega.
O tzatziki é um delicioso antepasto grego servido também como acompanhamento para carnes, como molho para saladas, recheio para sanduiches ou como patê.
Na Grécia, ao pedir um souvláki (suvláki - σουβλάκι) ou um gyro (ghiro - γύρο), o churrasco grego de verdade, um dos acompanhamentos é o tzatziki.
Os gregos fazem o tzatziki com iogurte firme e drenado. O iogurte grego é um capítulo à parte na culinária grega e é famoso em todo o mundo, ele é feito com leite de cabra ou ovelha, não é azedo e tem uma textura firme.
Apesar da palavra tzatziki ter origem turca, o tzatziki tem origem grega. Em Chipre ele é chamado de talatouri (talatúri - Ταλατούρι) e é temperado com hortelã. Outras culturas também fazem tzatziki, os turcos fazem com iogurte sem drenar, os sérvios  e os búlgaros acrescentam nozes picadas e os iranianos acrescentam endro.

Ingredientes

1 litro de iogurte firme (pode ser feito em casa ou comprado pronto)
2 pepinos japoneses grandes (aquele pepino fininho)
2 dentes de alho esmagados
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de vinagre
1 colher de sopa de azeite extra virgem

Fazendo

Coloque o iogurte num guardanapo de pano dentro de uma peneira e a peneira sobre um recipiente em que não encoste no fundo. Deixe drenar por, no mínimo, 4 horas.
Descasque os pepinos e rale no ralo grosso. Extraia o excesso de água apertando entre as mãos.
Coloque o iogurte drenado numa vasilha, acrescente os pepinos ralados, adicione o alho, o sal, o vinagre e o azeite. Misture bem e está pronto.
Conserve em geladeira.

Dicas

- Para não ficar com gosto de alho na boca e não dar azia, corte os dentes de alho ao meio e retire o miolo.
- Esmague bem o alho para não ficarem pedacinhos que dão aquela "surpresa".
- Se desejar um gosto mais forte de alho, acrescente mais dentes. Se desejar mais suave, coloque menos alho.
- O tempero é sempre uma questão de gosto, então experimente e adicione o tempero que achar que estiver faltando.
- Pode ser temperado com salsinha picada, hortelã picada, pimenta do reino branca.
- Pode-se substituir o vinagre por suco de limão.
- Escolha um iogurte de sabor menos azedo e com consistência bem firme. Não use iogurte de consistência cremosa. Pode-se usar o iogurte desnatado.
- Um litro de iogurte equivale a 5 ou 6 copos de iogurte comprado pronto, cada um costuma ter entre 150 ml e 180 ml.
- Costumo descascar os pepinos porque dá azia em pessoas mais sensíveis, se não for o seu caso, use os pepinos com casca.

Receita publicada no blog: http://cozinhadagrega.blogspot.com.br/

Monday, February 9, 2015

Frase do dia - Phrase of the day

 

A sociedade compõe-se de duas grandes castas: a dos que têm mais comida do que apetite e a dos que têm mais apetite do que comida. 

Nicolas - Sébastien Chamfort
Poeta, jornalista, humorista e moralista francês
(1740/1794)

Sunday, February 1, 2015

Cozinhando com Humor


Leite de soja para bebês - um alimento ou um veneno?


Se a questão sobre a soja – se faz bem ou mal à saúde – fosse apenas polêmica, seria até mais fácil se administrar; mas existe um problema sério a ser tratado pelas autoridades governamentais e que pouquíssimas pessoas sabem o que comem ou o que dão a seus filhos. Nos resta a pergunta: Afinal, a soja vendida no mercado e seus produtos derivados, têm um acompanhamento sério na qualidade de sua produção?
Com a onda vegan aumentando, por conta da busca de uma alimentação mais saudável, reproduzo aqui, um texto que deve ser lido com isenção e ser uma referência, pois cabe a todos nós termos conhecimento suficiente para tratarmos de assuntos relacionados a nossa saúde.


Soja para bebês e crianças? Há controvérsias!
Por Nana G

Existem alguns pontos discutíveis no texto que reproduzo a seguir.
Em determinado instante, ele grita afirmações questionáveis, em um jogo de palavras sinuoso.
Se levantarmos a ficha de outros alimentos considerados saudáveis, veremos que também possuem esses mesmos pontos frágeis e questionáveis.
Concordo com cuidar do consumo excessivo,  não apenas de soja,  mas de todo e qualquer alimento.
O que considero preocupante é o oferecimento diário de fórmulas à base de soja para bebês, como substituto do leite de materno,  tanto quanto o oferecimento de fórmulas á base de leite de vaca.
Existem muitos contras, e alguns prós. Os últimos, saem na frente por garantirem o primordial, que é a alimentação do bebê. Porém, assim é apenas pelo período de um ano, aproximadamente, quando então já pode conhecer outros sabores.
Reli várias vezes o texto, procurando garantir a imparcialidade de quem não vive para levantar bandeiras.
Aliás, não acredito em bandeiras levantadas pelo radicalismo.
Geralmente, a postura torna a visão limitada e sem foco preciso para algo que vá além de sua certeza absoluta.
Aprender a andar no caminho do meio exige um longo aprendizado. Não é apenas pular o dessa água não beberei (apesar que, em alguns casos, como o da soja transgênica, o melhor é que assim se faça).
Paracelso definiu bem essa moderação, ao eternizar uma frase que diz de alguma outra forma exatamente isso: a diferença entre o remédio e o veneno está na dose.
Ainda bem, pois nos envenenamos gradativamente em nosso dia a dia.
Mas será que no limite estabelecido?

Alerta sobre a soja

A soja começou a ser utilizada como alimento durante a dinastia Chou (1134-246 AC), depois que os chineses aprenderam a fermentar os grãos de soja para produzir alimentos como missô e shoyu.
Os orientais consomem alimentos de soja em pequenas quantidades, como condimento e não para substituir produtos animais.
A maioria dos alimentos modernos de soja não são fermentados para neutralizar toxinas contidas nos grãos de soja e são processados de tal forma que as proteínas são alteradas e os níveis de cancerígenos aumentam.

* Inibidores de tripsina na soja interferem com a digestão de proteínas e podem causar distúrbios no pâncreas.

* Alimentos de soja aumentam a necessidade de vitamina D no organismo, porém a vitamina D sintética, acrescentada ao leite de soja, é tóxica.

* Os análogos à vitamina B12 na soja não são absorvidos e até aumentam a demanda de vitamina B12 no corpo.

* Alimentos de soja contém altos níveis de alumínio, que são tóxicos para o sistema nervoso e os rins.

* O processamento da proteína de soja resulta na formação de lisinoanalina tóxica e de nitrosaminas altamente cancerígenas. Durante o processamento, também é formado glutamato monossódico, MSG, um potente neurotóxico, e quantidades adicionais são acrescentadas a vários alimentos de soja.

* Altos níveis de ácido fítico na soja reduzem a assimilação de cálcio, magnésio e cobre, bem como a biodisponibilidade de ferro e zinco, necessários para a saúde e o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso.
O ácido fítico na soja não é neutralizado por métodos comuns, como deixar de molho, germinar e cozinhar por muito tempo.
Alimentos que contém grandes quantidades de ácido fítico causaram problemas de crescimento em crianças.

* Megadoses de fitoestrógenos, no pó de soja para lactentes, são implicados no atual aumento do desenvolvimento sexual prematuro em meninas e no retardamento do desenvolvimento sexual em meninos.
        Fitoestrógenos na soja interferem na função endócrina e podem causar infertilidade e podem provocar câncer de mama.
         Vários estudos revelaram que a soja causa infertilidade em animais.
      O consumo de soja aumenta o crescimento de cabelo em homens de meia idade, indicando níveis reduzidos de testosterona. Tofu era consumido por monges budistas para reduzir a libido.
Fitoestrógenos na soja são potentes agentes antitireóides que causam hipotireoidismo e podem causar câncer da tireóide.
Em nenês, o consumo de leite de soja foi associado a uma doença auto-imune da tireóide.
Alimentos de soja podem estimular o crescimento de tumores relacionados ao estrógeno e causar problemas na tireóide. A baixa função da tireóide está relacionada a dificuldades na menopausa.

* Em animais, a alimentação com soja mostra que fitoestrógenos na soja são poderosos disruptores endócrinos.
A amamentação com soja — que inunda a corrente sangüínea com hormônios femininos, que inibem a testosterona — não pode ser ignorada como possível causa de desenvolvimento alterado em meninos, incluindo o TDAH, transtorno no déficit de atenção e hiperatividade.
Meninos expostos a DES, um estrógeno sintético, tinham testículos menores que o normal na fase de maturação.

* Bebês do sexo masculino passam por uma “onda de testosterona” durante os primeiros meses de vida, quando os níveis de testosterona podem atingir aqueles de um homem adulto. Durante este período, o nenê masculino está programado para desenvolver características masculinas na puberdade — não apenas no desenvolvimento dos órgãos sexuais e de outros traços físicos masculinos, mas também na determinação das características cerebrais do comportamento masculino.

*Bebês alimentados com leite de soja têm 13.000 a 22.000 vezes mais compostos de estrógeno no sangue do que nenês que recebem leite em pó comum.
O bebê alimentado exclusivamente com mamadeira de soja, recebe diariamente o estrógeno equivalente a, pelo menos, cinco pílulas anticoncepcionais por dia.

* Quase 15% de meninas brancas e 50% de meninas afro-americanas mostram sinais de puberdade, como desenvolvimento dos seios e pêlo púbico, antes dos oito anos de idade.
Algumas meninas mostram desenvolvimento sexual antes dos três anos de idade.
O desenvolvimento prematuro de meninas foi relacionado ao uso de mamadeira de soja e à exposição a pseudo estrógenos ambientais como PCBs (Bifenilos Policlorados) e DDE (leia-se DDT).

* O consumo elevado de fitoestrógenos durante a gravidez pode produzir efeitos adversos no feto e, mais tarde, sobre o início da puberdade.
O FDA (Food and Drug Administration) nunca aprovou a proteína isolada da soja como GRAS (Generally Recognized as Safe), devido à preocupação com a presença de toxinas e cancerígenos na soja processada.

Conversando na cozinha - Entre socos e desfiles


       Hoje ao abrir o jornal, procurei de imediato a notícia a respeito da luta do Anderson Silva. Não que eu seja fã do Spider, mas saber de sua superação ao se recuperar de uma fratura grave e que poderia aposentá-lo precocemente, isto sim, é um bom motivo para tirarmos uma boa lição.
Mas na passada de olhos vi uma matéria sobre um concurso de miss Amazonas que seria cômico se não fosse “tosco”, como dizem minhas filhas. A segunda colocada, em um acesso de fúria, arrancou a coroa da vencedora e saiu batendo pé, P da vida! Disse ela, que o concurso estava “arranjado” e que a vencedora já estava definida desde o ano passado.
Caramba! Eu nem sabia que ainda existia este tipo de concurso! Talvez eu esteja por fora dessas coisas. Reluto em pensar que em pleno século XXI, existam jovens que se prestam a este tipo de concurso. Em uma época em que as mulheres têm se colocado com competência em vários segmentos da sociedade, em diversos campos profissionais; acadêmico, esportivo, literário, etc; enfim, em diversos setores em que a efemeridade da beleza, não seja o essencial. É claro que tem aquelas que se beijam no ombro e tem seus 15 minutinhos de fama. Mas as inteligentes se superam em número, apesar de não serem vistas nas revistas de personalidades.
Mas o que isso tem a ver com culinária, seu Luiz? Muita coisa. Pelo fato de sabermos que a vida nos testa diariamente, apresentando problemas de intensidades e importâncias diferenciadas, o que nos induz a tomar decisões em que a sabedoria e experiência de vida nos auxiliam a encontrar boas soluções. Não tenho a receita de bolo para tudo, mas se colocarmos para apreciação, o problema do Anderson Silva e da miss que não (con)venceu, veremos o abismo que as pessoas consideram importantes para si. Cada um no seu quadrado, como diria um filósofo contemporâneo, do subúrbio carioca.
Assim, no dia-a-dia das panelas, nas decisões do cardápio, na seleção de funcionários, na adoção do “plano B” na hora de um imprevisto, entre tantas outras coisas, é que devemos encontrar a serenidade para decidir o que fazer e saber que a luta constante e a perseverança é que forjam o sucesso que buscamos.
Ah! Antes que eu me esqueça, o Anderson Silva ganhou.
         Bom dia!

Saturday, January 31, 2015

Frase do dia


Muçarela, mussarela ou mozarela?


As formas mais corretas de escrita da palavra são mozarela e muçarela. Devemos privilegiar a utilização dos substantivos femininos mozarela e muçarela sempre que quisermos referir um queijo de origem italiana, feito com leite de búfala ou de vaca, esbranquiçado e arredondado, se consistência suave, muito utilizado em pizzas. Alguns dicionários aceitam a existência da palavra mussarela, mas esta aceitação não é unânime. Além disso, a palavra mussarela não consta no vocabulário ortográfico da Academia Brasileira de Letras.
Mozarela e muçarela têm sua origem na palavra italiana mozzarella. No caso de mozarela, a forma aportuguesada da palavra se manteve o mais próxima possível da palavra em italiano. No caso de muçarela, o duplo z da palavra italiana evoluiu para ç no aportuguesamento da palavra. Existem outras palavras provenientes do italiano em que ocorreu o mesmo processo, como a palavra carroça, do italiano carrozza, e a palavra raça, do italiano razza.

Exemplos:

Adoro pizza com queijo mozarela bem derretido.

Adoro pizza com queijo muçarela bem derretido.

Tradicionalmente, a mozarela era feita com leite de búfala.

Tradicionalmente, a muçarela era feita com leite de búfala.

Embora com pouquíssimo uso e aceitação, a palavra muzarela também aparece no vocabulário ortográfico da Academia Brasileira de Letras e em vários dicionários.

Fonte: http://duvidas.dicio.com.br/